Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Faz da tua vida a tua inspiração!

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

Faz da tua vida a tua inspiração!

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

Vão-se lixar!

21.09.20, Marta Leal

aborot.jpg

Ora vamos falar de um tema que está no tema do dia, que nunca pensei ser possível que algum dia estivesse: o aborto e a proposta de um dos partidos de retirar os ovários a mulheres que recorram ao mesmo através da Segurança Social para a qual todos contribuímos. Não percebi bem se esta proposta é só para aquelas que recorrem ao serviço nacional de saúde para o fazerem ou se também seria para quem recorre às clínicas privadas para o fazer. Porque se não for já temos uma diferenciação elitista. Quem não pode pagar vê a sua intimidade e a sua condição de mulher dilacerada, quem pode pagar não terá esse problema. Se as vossas filhas tiverem uma gravidez indesejada em idade da adolescência também defendem a retirada dos ovários ou isso é só para as filhas dos outros? Daqueles que têm de recorrer à segurança social?

Não será que vamos, novamente, privilegiar a clandestinidade e colocar em risco a vida de muitas mulheres? Será que estas mentes brilhantes não pensam sobre isso? Será que esta gente sabe o que é viver no limiar da pobreza? Será que esta gente sabe as verdadeiras dificuldades de uma sociedade onde existem cada vez mais diferenças sociais e económicas? Espero que os que defendem esta barbaridade não sejam os mesmos que estão contra à educação sexual nas escolas.

Acredito que muita coisa tem de ser alterada e mesmo repensada na sociedade portuguesa, mas nenhuma delas pode impedir uma mulher de voltar a ser mãe. Fazer isto é regredirmos para um momento em que não somos donas dos nossos corpos nem das nossas vontades, e isso recuso-me a aceitar. 

Não concordo nem nunca concordei com o aborto como forma de método contraceptivo, mas sou a favor do aborto em determinadas situações. Qualquer mulher que já fez um aborto, seja porque razão for, sabe que não é decisão fácil, que deixa marcas e que provoca questões internas que ficam para sempre. Quem já passou pela experiência sabe que é uma dor que não desaparece por muito que o tempo passe. Condicionem o número de abortos por mulher, avaliem as situações familiares, criem condições para que não volte a acontecer, mas impedir uma mulher de poder ser mãe noutro momento da sua vida é que não!

Numa sociedade evoluída cuidamos uns dos outros. Numa sociedade retrógrada impomo-nos uns aos outros!

Equilíbrio meus senhores, equilíbrio!