Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amor Próprio

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

Amor Próprio

04
Jan19

Não sei o que fazer à minha vida

Marta Leal

life-2858752__340.png

#nãoseioquefazeràminhavida

#amorpróprio

#desenvolvimentopessoal

 

- Não sei o que fazer à minha vida – disse-me ela.

 

Instalou-se enquanto as palavras lhe saiam mais rápidas que os gestos. Diria até que a descoordenação era total. Os gestos demonstravam cansaço. As palavras demonstravam uma luta pela sobrevivência.

 

Ouço esta frase muitas vezes. Seja em ambiente de formação, seja em ambiente de sessão ou mesmo nas relações pessoais. Existiram momentos da minha vida em que também as ouvi na minha cabeça. E, pode ser que me engane, mas vão existir momentos em que as vou voltar a pensar ou mesmo verbalizar. Faz parte. A vida é feita de momentos bons e momentos menos bons. Feita de situações totalmente claras e situações que nos deixam confusos, desconfiados e com a sensação de impotência.  Termos a noção de que não sabemos o que fazer à nossa vida é o primeiro passo para seguirmos em frente.

 

A ti que já passaste ou passas por isso só te posso dizer que é normal. É normal que questiones caminhos, vontades, formas de estar e de ser. É normal que aquilo que pensaste ser seguro o deixe de o ser. É normal que o caminho que pensaste que era certo não o fosse e que aquilo que esperas não chegue no momento em que pensaste que chegaria.

 

Passares por isso faz parte da tua evolução e do teu crescimento pessoal. Sentires-te perdido e sem saber o que fazer faz parte de um questionar que a maioria de nós não faz. Lembra-te que a ordem nasce do caos!

 

Se me permites sugiro que pares e que olhes à volta. Que percebas o que te trouxe ao momento onde estás, mas sem qualquer tipo de julgamento. Olha para os factos apenas como factos. Depois decide o modo como vais lidar com a situação. Tomar a decisão de mudança é o primeiro passo para saíres de onde estás e caminhares para onde queres ir.

 

✔️ FB 👉 https://www.facebook.com/martalealdesenvolvimentopessoal/
✔️ Site 👉 www.martaleal.pt
✔️ Email 👉 martaleal@outlook.pt

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

01
Mai18

Gosto de Recomeços

Marta Leal

93df0-maio.jpg

 Gosto de Recomeços

Marta Leal

#inspiraçãoemotivação

 

Gosto de recomeços. Gosto de inicios de ano e gosto do inicio dos meses. Especialmente dos inicios daqueles meses que me cheiram a calor e a quente. Gosto das cores que se misturam com os sons e da temperatura que se mistura com os dias cada vez maiores.

 

E é isso que o ano nos dá 12 novas oportunidades de se recomeçar e de se fazer diferente.

 

Em Maio vais ter 31 novas oportunidades de fazer diferente! Já pensaste o que vais fazer com os teus dias?

 

Faz da tua vida inspiração.

 

Marta Leal

Coaching Inspiracional

 

 

 

 

19
Mai17

A vida já perto dos 50!

Marta Leal

liberdade.jpg

 

Começar uma carreira é sempre um misto de sentimentos. Se por um lado no sentimos donos do mundo por outro existem os medos, os obstáculos que sabemos que vão existir, as opiniões dos que nos rodeiam  e as pessoas com quem nos vamos cruzar ao longo do processo. Sentimos medos mas estamos a fazer aquilo que faz parte. Que faz parte do processo que a sociedade nos diz que devemos fazer e que muitos de nós acredita ser o único caminho.

 

Se começar uma carreira por volta dos vinte é desafiante quando tomamos a decisão de mudar de carreira depois dos quarenta o caso torna-se mais complicado. Se decidimos mudar de carreira porque fomos despedidos a coisa ainda vai que não vai. Agora se decidimos mudar de carreira porque nos apeteceu o desafio torna-se maior. Largar o certo pelo incerto parece decisão de gente insana. Correr atrás de um sonho parece ser atitude de quem é irresponsável. Fazer isto quando estamos sozinhas ainda vá agora quando somos mães de três o caso torna-se mais grave. Principalmente porque para muitos a vida acaba aos quarenta. Também não vou dizer que começa mas posso afirmar que pode recomeçar de forma calma e serena. Para mim a vida só acaba no dia em que morremos até lá estamos vivos, muito vivos. 

 

Um pouco antes dos quarenta divorciei-me e quando procurava um equilíbrio emocional encontrei um equilíbrio profissional. Durante anos fui desenvolvendo duas carreiras em paralelo até que um dia percebi que a decisão tinha de ser feita ou corria o risco de deixar de ter vida. As férias e os fins de semana eram usados para trabalhar e o tempo para a família começava a ser diminuto. O romance passou a ser nulo e a falta de sono uma evidência. A vontade de tomar uma decisão era cada vez maior e um dia a hesitação acabou e a decisão foi tomada. Larguei o certo pelo incerto. Larguei um emprego desejado por muitos por uma carreira muito minha. Mas o que as pessoas não sabem é que troquei certeza por felicidade, rotina por liberdade, e emprego por sonho de vida. O que as pessoas não sabem é que troquei uma morte lenta por uma inspiração contínua. 

 

Não foi de todo fácil. Não defendo o larga tudo e corre atrás do teu sonho mas defendo o cria estrutura e constrói o teu sonho. Hoje vivo apenas da minha carreira e daquilo que decidi ser. Ou melhor escrevendo hoje vivo apenas daquilo sou. Acordo todos os dias com vontade de trabalhar, respondo aos desafios com a segurança necessária e mesmo quando tenho dúvidas respiro fundo, endireito os ombros e digo para mim mesma "confia"! 

 

Existiram momentos complicados e sei que ainda irão existir mais. A vida alterna entre o prazer e a dor e a nós cabe-nos decidir como vamos lidar com isso. A verdade é que à data de hoje não troco a minha vida por nada. Amo o que faço e faço o que amo. E perante a pergunta "o que farias se não precisasses de dinheiro?" a minha resposta só poderia ser "exactamente o que faço hoje".

 

 

Faz da tua vida inspiração!

 

Marta Leal

Inspirational Coaching

10
Fev16

Quando o amor acaba!

Marta Leal

10686799_680740478690239_2004744795008239435_n.jpg

 

Quando uma relação termina é como se morresse um pedacinho de nós. Seja de quem deixa, seja de quem é deixado. Não é fácil. Não é fácil para nenhuma das partes a não ser que um deles seja um energúmeno do mais alto calibre. Mas não é sobre esses que hoje escrevo. Hoje escrevo sobre aqueles que um dia se apaixonaram e mais tarde percebem que já nada sentem. Hoje escrevo sobre aqueles que que um dia se apaixonaram e de repente o "viveram felizes para sempre" terminou com um "não és tu sou eu"!.
 
Meus caros dói. Dói que se farta e de nada adianta dizer que está tudo certo ou que vai passar. Nós sabemos que vai passar, que o tempo tudo cura e que lá à frente quem sabe até um dia chegamos a agradecer. Mas hoje dói pelo que foi e pelo que está a ser. Dói tanto no ser como no estar. Dói na partilha de bens quando antes se partilharam momentos, vivências, sorrisos, olhares, toques sorriso e mesmo lágrimas. Dói e é importante que doa.
 
É quase como se assistíssemos à morte inesperada de quem está por perto.Perceber o fim é perceber que a vida é feita de emoções, vivências e surpresas, muitas surpresas. Perceber o fim é perceber que temos que recomeçar tudo de novo mas de outro ponto de partida. De um ponto de partida em que escolhemos a bagagem que decidimos levar. De um ponto de partida onde escolhemos o que vamos deixar. Há quem fique lá no novo ponto de partida sem nunca querer mudar mas também não é desses que vamos falar. 
 
Existem momentos em que sentimos um misto de tristeza com alivio. Tristeza pela perda e alivio por voltar a controlar a coisa. Seria incongruente se não chorássemos uns dias pelos cantos e passássemos outros tantos a implicar com toda a gente. Ao quinto dia não ressuscitamos mas arregaçamos as mangas, tapamos as olheiras e regressamos ao mundo mais fortes e mais resistentes. Não mudamos no ser e no estar porque é exactamente assim que nos sentimos bem. E ninguém nos muda meus caros.Nós é que decidimos ou não mudar.
 
Quando te voltares a entregar, entrega-te. Da próxima vez que estiveres está. Claro que não vais viver a mesma coisa mas dá a ti a oportunidade de voltares a viver outro amor. Fugires do amor com medo de te magoares não é solução. Fugires do amor é impedires-te de viveres de novo.
 
Não chames nomes só porque achas que o deves fazer. Não te cales apenas porque não queres fazer cena. Pega na situação, olha-a de frente e resolve-a com o outro e contigo. Repara que escrevi com o outro e não com os outros. larga os outros,afasta-os no que diz respeito a soluções e aproxima-os no que diz respeito a compreensão. Os outros são os outros e vão sempre resolver de forma diferente.  
 
Acredito que o amor não tem amarras e que quando gostamos mesmo de alguém gostamos de o sentir bem e que seja feliz. Seria incongruente não lhe desejar felicidades por mais que isso doa e dói, dói que se farta.
 
Não acredites que só podes viver um grande amor. Acredita que podes viver muito mais amor se te permitires fazê-lo. Esquece os filmes, as opiniões, a sociedade e as crenças. Retira dos livros aquilo que te serve e vive. Mas antes chora, revolta-te, e aceita a tua desilusão.
 
A verdade é que um amor que não é regado seca, morre e corre o risco de deixar a terra infértil.  
A verdade é que só os mais corajosos se atrevem a amar.
 
Marta Leal
Inspiracional Coach
22
Mai15

Esta coisa do tempo passar rápido é mesmo verdade

Marta Leal

images (10).jpg

 

Esta coisa do tempo passar rápido é mesmo verdade. Eu até começo a acreditar que as semanas têm menos um ou dois dias e ninguém nos avisou. Gerir o tempo é das tarefas mais simples e também mais difíceis na vida de cada um de nós, na maioria dos casos convencemo-nos de que não temos tempo e nem reparamos que nos dispersamos diariamente tanto que nos esquecemos do que realmente nos propusemos fazer ou mesmo dos objectivos que nos propusemos a atingir. 

 

E no final o que importa é que tomas as tuas decisões e as assumas perante ti e só depois, se te apetecer,  perante os outros. O que importa dizeres que vais fazer se perante ti não o assumes? de que importa dizeres que é hoje,  que não passa de hoje se depois te esqueces do que decidiste ou afirmaste? Antes de tomares uma decisão pensa se a vais conseguir levar á frente, organiza-te, planeia e depois entra em acção. 

 

Cá por casa os ânimos começam a serenar e aos poucos as peças começam-se a ajustar no puzzle. O mais que tudo já está mais convencido com a presença da cadela.  Dona Diva foi á tosquia e ficou irreconhecível desapareceu o Teddy Bear e fiquei com uma Suricata. Acordar durante a noite tornou-se um ritual que só me faz lembrar o tempo em que os miudos eram pequenos. Á sinfonia dos gatos juntaram-se os latidos da cadela e os resmungos do mais que tudo. Imperdível este amanhecer numa casa que tem tendência a tudo menos sossegar. O que também é imperdivel é caminhar com ar desgrenhado e saco com caca na mão pelas ruas da minha vila enquanto me desvio das cacas que outros donos se recusaram a apanhar.

 

Cá por casa continuo assim muito mãe, muito mulher, muito eu mesma!

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Marta Leal

    Olá Laura, que sentido teria a vida se não falasse...

  • Laura

    Muitos Parabéns pelo livro! Precisamos de mais liv...

  • petra

    Muito boas as tuas dicas e conselhos,adorei a tua ...

  • petra

    Graças a esta publicação,eu concluí que sou uma pe...

  • petra

    Muitos parabéns pelo teu destaque,adorei ler esta ...

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D