Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amor Próprio

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

Amor Próprio

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

E existe alguma coisa melhor do que um coração grato?

 

heart-2323961__340.jpg

 

 

Estamos a dia dezassete de dois mil e dezoito, mas poderíamos estar num outro dia, mês ou ano qualquer.  Os meus dias sucedem-se muito diferentes uns dos outros até porque a rotina, por aqui, tem uma certa dificuldade em instalar-se. Não foi a melhor semana do ponto de vista pessoal e foi uma semana fantástica do ponto de vista profissional. Não fosse eu uma mulher de equilíbrios!

 

Sou muito mais de risos do que de choros e de felicidade do que de tristeza. E isto apenas porque assim o decido fazer. Não sou melhor que tu apenas diferente. Se eu o faço tu também o podes fazer.  A minha capacidade em lidar com as adversidades, os obstáculos ou mesmo as desilusões facilita-me a vida e poupa-me imenso tempo de choro e de vitimização. Mas a verdade é que existem aqueles momentos que nos entristecem. Que nos entristecem de uma forma tal que as lágrimas secam e a dor instala-se. É como se a tristeza nos sugasse toda e qualquer energia que pudéssemos ter. Mas hoje ao contrário de ontem, quando passo por estes momentos, aceito. Aceito a tristeza, bem como os pensamentos e sentimentos que lhes estão associados. Aceito e sigo em frente, sem olhar para trás.  Sigo em frente, mas sigo diferente. Porque a cada pedra que encontro no meu caminho corresponde uma aprendizagem. E quando aprendemos, crescemos! E quando crescemos a nossa alma fica mais livre e o nosso coração mais grato.

 

E existe alguma coisa melhor do que um coração grato?

 

Boa Semana e excelentes inspirações!

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

 

Fazer o bem!

maria_cole_a_p.jpg

 

“Numa noite, estava uma senhora negra, americana, numa estrada no estado do Alabama enfrentando uma tremenda tempestade. O carro dela tinha avariado e , precisava, desesperadamente, de uma boleia. Completamente molhada, começou a acenar para os carros que passavam. Ninguém parou para a ajudar, com exceção de um jovem branco, que parecia que não tinha conhecimento dos acontecimentos e conflitos raciais dos anos 60.

O rapaz colocou-a num lugar protegido, procurou ajuda mecânica e chamou-lhe um táxi. Ela parecia estar realmente com muita pressa, mas conseguiu ficar com a morada dele para lhe poder agradecer “como deve ser”.  Passaram-se sete dias quando bateram à porta da casa do rapaz. Para surpresa dele, tinham-lhe mandado uma enorme TV a cores que trazia um bilhete-que dizia: Muito obrigada por me ajudar na estrada naquela noite. A chuva não só tinha encharcado as minhas roupas como também o meu espírito. Foi aí que você apareceu, e assim consegui despedir-me do meu marido antes dele morrer.  Sinceramente, Mrs. Nat King Cole. “

 

Autor desconhecido

(adaptado de uma versão da internet)

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

Só muda quem se atreve a fazê-lo!

adventure-2548133__340.jpg

 

 

- Já viste como aquela casa do canto está tão gira? Foi ótima a ideia de a terem recuperado. Sempre gostei daquela casa – disse eu

 

- Eu fazia diferente – respondeu-me ele enquanto descrevia tudo aquilo que iria fazer diferente, se fosse ele a fazer.

 

É tão fácil mandarmos na vida dos outros! Naquele momento tive consciência de como ele funcionava. Não por aquela conversa em especial, mas por toda uma soma de conversas que acabavam sempre no “se fosse eu” ou, no caso de pessoas, “também tem uma linda história”.  Relembrei-me da resposta que me deu quando comentei o quanto gostava do carro novo da amiga comum. Não só me disse que era uma “porcaria” como acrescentou um mordaz “vamos lá ver se tem dinheiro para pagar”. Não pensem que é má pessoa. Não é. Tem um coração enorme e uma generosidade do tamanho do mundo e talvez tenha sido isso que nos uniu numa amizade mais presente. Mas não bastou. A mim não bastou.

 

Acabámos por nos afastar. Naturalmente afastamo-nos do que não gostamos e aproximamo-nos do que nos faz bem. Tenho tendência a ficar pouco tempo perto dos que são negativos, dos que se validam através dos outros e dos que apontam a sombra em pessoas que têm tanta luz.

 

E é isto que alguns fazem. Constroem vidas, sonhos, casas e projetos em cima da vida dos outros.  Fariam sempre melhor porque se fossem eles tinham uma solução mais acertada. Focam-se no outro porque é demasiado doloroso focarem-se neles próprios. Focam-se no que fariam porque é demasiado doloroso fazer!

 

Quanto a nós vamo-nos cruzando de vez enquanto num café mais de corrida. Percebo o processo, vou lançando sementes de mudança e esperando que um dia, talvez um dia, se decida a mudar.  Porque a verdade é que só muda quem se atreve a fazê-lo!

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

Quando nos apaixonamos pelo amor esquecemo-nos de amar

couple-260899_960_720.jpg

 

“Somos como água e azeite” contou-me ele com um olhar triste e postura de derrota. Não foi a primeira vez que ouvi a expressão e o facto de a estar a ouvir novamente veio reforçar a minha ideia de que existem amores que simplesmente não têm de ser vividos. Deixei-o falar. É tão importante permitirmos que a alma chore aquilo que os olhos se impedem.

 

Contou-me como se tinham encontrado, o que tinham vivido e todas as promessas que tinham feito um ao outro. Contou-me também que desde cedo percebeu que a vida os tinha presenteado com encontros e desencontros. E ao contrário daquilo que preferia ter acontecido sabe que não foram os outros que os afastaram, foram eles.

 

Sabes, meu querido António, disseste tudo no momento em que assumiste que foram vocês que se afastaram um do outro. Não estava lá, mas acredito que se tenham afastado nas palavras, nos gestos e nas ações. Se a vossa relação fosse segura os outros podiam aparecer que nem tsunamis e nada vos abalaria. Mas não foram. E talvez se tenham perdido no medo de se perderem. Não foi por serem água e azeite que não deu certo foi porque se apaixonaram pelo Amor em vez de se apaixonarem um pelo outro. E quando nos apaixonamos pelo amor esquecemo-nos de amar. Porque amar é terreno. Amar é lidar com as dificuldades do dia-a-dia, fazer concessões, estar presente, respeitar e respeitar-se. Estar apaixonado pelo amor é algo totalmente diferente. Estar apaixonado pelo amor é viver numa constante ilusão daquilo que achamos que deve ser.

 

E não me surpreende quando me dizes que as conversas se sucederam até vos esgotar, que as palavras foram subindo de tom e que as explicações eram dadas num contexto e percebidas noutro. Que os ânimos se exaltaram nos últimos encontros. Não me surpreende porque te recusaste durante muito tempo a aceitar a realidade.  E quando não há solução à vista os ânimos exaltam-se! E os ânimos exaltam-se porque a ilusão que têm sobre amor não está a ser respeitada!

 

O que te posso dizer António? É que para próxima vez que sentires que te estás a apaixonar que percebas se é pelo amor se é pela pessoa que tens à tua frente!

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

Quem sou eu?

2018-04-29 18.30.07.jpg

 

 
Esta será, sem sombra de dúvida, uma das respostas mais difíceis de dar. A maioria de nós não se conhece. Conseguimos verbalizar aquilo que é politicamente correto, mas mais que isso torna-se difícil. Torna-se difícil por medo do que os outros possam dizer ou porque não sabemos quem somos.
 
Quem sou eu? Sou blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida.Eu sou alguém que também tardou a encontrar-se, a conhecer-se, a aceitar-se e a assumir-se na diferença. Eu sou alguém que há uns anos decidiu largar tudo e dedicar-se a dar umas dicas para que os outros se encontrem, se conheçam, se aceitem e se assumam na sua essência. 
 
Adoro o que faço e não me imagino a fazer mais nada. Os meus dias alternam-se entre sessões, formações e família. Deixei de sobreviver e passei a viver de acordo com o que me faz sentido e da forma como me faz sentido.Uns dias trabalho imensas horas noutros dias dedico-me ao lazer. Adoro viajar e conhecer pessoas que me acrescentem. 
 
Trabalho o desenvolvimento pessoal de cada um com o recurso a uma série de ferramentas vindas do coaching, depth coaching, programação neurolinguística, hipnoterapia, mediação familiar, inteligência emocional, inteligência espiritual, intuição, coração, amor e humor.
 
Procuro motivar e inspirar com amor, ação, foco, diversão e humor todos aqueles que me procuram. Ajudá-los a aceitarem-se no todo para que possam caminhar pela vida com mais segurança, confiança, concretização e sorrisos. Acompanhar quem se proponha a avançar para o caminho do autoconhecimento e consequentemente da autoaceitação.
 
Tenho uma dificuldade em lidar com a formatação e com tudo o que é muito rígido. Sejam as ideias, pessoas, conhecimentos e mesmo métodos. Gosto do que me desafia, do que me faz crescer e do que se vai alterando. Se o mundo altera, o ser humano altera e o modo como olhamos para as coisas também se vai ter de alterar. Gosto tanto dos ensinamentos que recebo diariamente.
 
Há quem goste e há quem não goste. Partir do pressuposto que podemos agradar a todos é partir da ilusão de que a individualidade não existe. Somos todos diferentes e quando procuramos a aprovação dos outros corremos o risco de nos perdermos de quem somos.
 
 
Como é que faço isto? Através da escrita, formação, workshops, palestras, sessões de grupo e consultas individuais.
 
Para quem? Pessoas que querem ACEITAR-SE e SEREM o melhor de si mesmas.
 
O meu lema? Seja você mesmo, todos os outros já existem.
 

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

São os resultados que espelham quem és

photo-1511298521967-cefc9f26ec55.jpg

 #sãoosresultadosqueespelhamquemés

#Marta Leal

#amorpróprio

#desenvolvimentopessoal

 

Acredito que são os resultados que espelham quem somos e o que estamos a fazer em determinado momento. E quando não gostamos dos resultados é importante refletir sobre o reflexo que estamos a ver. Mais do que procurar culpados é importante que assumas a responsabilidade.

 

Há fases em que não gosto dos resultados que tenho. Em que estes começam a ser incongruentes com aquilo que eu penso ou mesmo com aquilo que eu defendo que é correto ser feito. Tenho como pressuposto que os meus resultados são fruto das minhas crenças, dos meus valores, dos meus pensamentos e das minhas ações. Por muito tentador que seja culpar alguém a verdade é que a responsabilidade é minha. E disso é impossível fugir. A este pressuposto juntam-se a crença da lei do retorno e a tão conhecida “faz aos outros aquilo que gostarias que te fizessem a ti!”

 

Existem momentos em que não me identifico com os resultados nem tão pouco me identifico com o modo como as pessoas me tratam.  E é exatamente nesses momentos que paro e avalio o modo como me trato a mim e como trato os outros. Avalio sem julgamentos e sem culpas apenas como factos. E existem os dias em que percebo que não me trato bem e que não dei a atenção devida aquela pessoa. Quando falo de dar atenção significa responder a um email, agradecer uma resposta, agradecer uma atitude ou mesmo uma disponibilidade. Por vezes, enredamo-nos nas tarefas e nos “tenho tanto que fazer que nos esquecemos de ser quem somos”.

 

Depois disso faço uma lista de aspetos a alterar e modifico para um comportamento que seja mais congruente com quem sou, com o que me faz sentido e com os resultados que quero obter.  Não é fácil. Não é nada fácil porque as distrações são imensas e as solicitações também. Treino-me. Treino-me diariamente para ser melhor que ontem com a consciência de que não procuro a perfeição, mas o conforto e a serenidade da alma.

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

 

Quando o amor nos esgota

cute-couple-piggypack_373x.progressive.jpg

 

 

#quandooamornosesgota

#Marta Leal

#amorpróprio

#desenvolvimentopessoal

 

 “O amor esgotou-me” disse-me ela ainda nem sequer se tinha sentado. Vinha acelerada, nervosa, lágrimas nos olhos e gestos de quem está pouca aberta ao mundo. Falou. Falou dele e dela, falou do último ano, do que tinha corrido mal, das exigências, das cobranças, falou da responsabilidade de cada um. Culpou pouco e culpou-se menos ainda. Falou do que fez para que tudo desse certo. Falou da relação, mas falou muito pouco de amor. É quase como se não quisesse falar dele.

 

Nas suas palavras foram esquecidos a razão pela qual se apaixonou, os momentos bons, o que tinham em comum e todos os planos que tinham feito em conjunto. Foram, também, esquecidas as borboletas no estômago, as mãos a transpirar e o olhar sobre a vida de um ser apaixonado. Quando um amor termina são poucos os que agradecem o terem vivido esse amor, mas são muitos aqueles que o amaldiçoam.  Amaldiçoar um amor vivido é amaldiçoar um pedaço de ti. É renegares quem foste em determinado momento e quem se renega não avança.

 

O amor que nos esgota é aquele tipo de amor que não nos permite ser. É o que nos exige abdicar de nós a favor do bem da relação. É o que nos vai fazendo calar, ter medo de falar, contar ou mesmo partilhar. É aquele que faz com que aquela pessoa que somos vá sendo substituída por outra que achamos que devemos ser.  O amor que nos esgota vive no medo da perda enquanto o amor verdadeiro vive na plenitude do ganho.

 

O amor que nos esgota é aquele que nos suga a alma e nos faz doer o coração. É o que nos exige a essência em troca do bem-estar do outro.  O amor que nos esgota não é amor é tudo menos amor!  E quando vivemos um não amor com o outro significa que não nos amamos e nos respeitamos muito pouco. Abdicar da nossa essência pelo outro é abdicar da nossa vida. Só se esgota no amor quem não se ama de verdade, quem foge de si para se realizar no outro.

 

As pessoas só deviam dedicar-se ao amor depois de se dedicarem a si! Queres viver um amor que não te esgote? Começa por ti, começa sempre por ti!

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

 

 

Amor e desamor

hands-1150073__340.jpg

 

 

#amoredesamor

#Marta Leal

#amorpróprio

#desenvolvimentopessoal

 

 “Aquilo já foi tudo meu” foram estas palavras que me despertaram os sentidos e me fizeram regressar ao aqui e agora.  Aconteceu há uns dias. Numa esplanada onde o sol e o silêncio me tinham convidado a sentar.  Embrenhei-me no livro que levei comigo e abstraí-me do que estava à volta. Acontece sempre isto. Os livros têm a capacidade de me fazer sonhar e voar para outra época, outro local, outras vidas e outras histórias.

 

Mas aquela frase despertou-me. Mais pelo tom do que pelas palavras em si. Há tons que dizem tanto! Por debaixo dos meus óculos escuros olhei para o local de onde o som tinha vindo. A voz pertencia a um homem, meia idade, careca, com uma certa barriga que conversava com mais dois amigos. Depois olhei para “aquilo” que passava calmamente pela esplanada. Mulher, meia idade, alta, cuidada e segura pela forma como se movia pela calçada. Acredito que quem se move assim pela rua move-se assim pela vida. O silêncio imperou enquanto seguia rua fora. O “ex-dono daquilo” ficou calado e os amigos também. Eu fiquei a pensar se ele algum dia teria sequer falado com ela. Não me parece! A sensação que tive, quando passou por nós, foi que nunca se tinha cruzado com ele. E se alguma vez aconteceu a “coisa”, na cabeça dela, tinha ficado resolvida. Na dele, pelos vistos, não!

 

Se valesse a pena ter-lhe-ia dito que “aquilo nunca foi dele” no limite tinham passado os dois um bom momento, mas nunca tinham sido um do outro. Ser um do outro é completamente diferente. Ser um do outro é uma entrega não só do corpo, mas principalmente da alma. Ser um do outro pode durar um dia ou uma vida, mas, tem o mesmo efeito porque não tem a ver com o tempo, mas com a intensidade. Dir-lhe-ia também que ela não me parece o tipo de mulher que se resigne e aceite ser propriedade de alguém. Aliás ninguém se deve resignar a ser propriedade de alguém. Mas de certeza que ele não me entenderia. Dificilmente alguém com a necessidade de se gabar sobre as lides sexuais entende que há mais do que isso.  Dificilmente alguém que fala naquele tom entende o que é o amor e tudo o que lhe está agregado.

 

Não vos conto isto por contar. Conto-vos isto porque me deparo diariamente com mulheres que aceitam menos do que merecem.  Que de tão vazias de amor aceitam migalhas quando têm direito ao banquete todo.  Diariamente cruzo-me com mulheres que com medo de ficar sozinhas vivem relações onde o respeito e a confiança são uma miragem. Diariamente cruzo-me com quem procura no exterior aquilo que tem de vir do interior. Diariamente cruzo-me com lágrimas fruto de um vale tudo, por se achar que se vale nada.

 

A conversa ao meu lado continuava no mesmo tom gabarolas. O amigo da camisa aos quadrados começara, também ele, a contar a sua última aventura. E eu numa recusa consciente de ouvir mais uma palavra que fosse regressei às letras e voltei a desligar-me do mundo.  Quando parei eles já tinham ido embora e a esplanada tinha ficado vazia. O que vos posso contar mais? que o livro me falou de amor e a realidade de desamor. Também vos posso contar que acredito que é urgente deixarmos o desamor morrer à fome e cuidar cada vez mais do amor. Mate-se, então, o desamor e faça-se crescer o amor, o próprio porque o outro virá por acréscimo.

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

Sobre o compromisso

legs-434918__340.jpg

 

 

#Sobreocompromisso

Marta Leal

#amorpróprio

#desenvolvimentopessoal

#compromisso

 

Cheguei atrasada ao mês de Agosto, mas foi por uma boa causa. Este ano já vi que as férias vão ser em part-time e que o bronzeado não passa de uma ilusão. Estou de tal forma branca que corro o risco de encandear alguém se me olhar para as pernas. Mas não tenham pena que eu trato-me muito bem. Maio foi mês de Itália e o final de ano também é capaz de prometer. O trabalho tem sido mais que muito e, por aqui, preparam-se novas ações, novas formações e um final de 2018 com muita novidade.

 

Dizem que todos nós devemos ter filhos, plantar uma árvore e escrever um livro. Neste momento, só me falta plantar uma árvore porque os filhos vieram em triplo e o livro seguiu, no passado dia 1 de Agosto,  para a editora. É sempre a mesma coisa. Começo pelo mais difícil e acabo no mais fácil. Já é mais do que sabido que escrever preenche-me e faz-me perder do tempo e do espaço e, desta vez, não foi excepção. As últimas semanas foram dedicadas, quase na totalidade, a cumprir aquilo a que me propus. E é isso que nos faz mover, cumprirmos aquilo que decidimos, mesmo que para isso tenhamos que abdicar de outras coisas.

 

Ah é verdade já me esquecia no livro vai-se falar de amor!

 

Para hoje convido-te a pensar sobre a tua relação com o compromisso. Como te relacionas com ele? assumes? foges? nunca pensaste nisso?

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

 

 

 

Só cresce quem comete erros

memorias.jpg

 

 

 

#sócrescequemcometeerros

Marta Leal

#amorpróprio

#desenvolvimentopessoal

#organizatenoamor

 

E a semana passada enquanto trabalhava o processo “organiza-te no amor” com uma cliente, ouvia-a dizer “arrependo-me tanto de casar com quem casei”. Depois da sessão feita fiquei a pensar no que ela me disse. Fiquei a pensar no perigo que é ficarmos agarrados apenas ao que correu mal. Fiquei a pensar no risco que é abafarmos todos os momentos de felicidade quando o resultado não é o que pretendemos.

 

Quando te arrependes de ter casado com quem casas-te estás a arrepender-te de ter amado. Eu não consigo arrepender-me de ter casado com quem casei. Arrepender-me de ter casado com quem casei seria deitar fora imensos anos de convivência, escolhas, vivências, experiências e momentos. Sou, sem dúvida nenhuma, uma mulher de momentos. Arrepender-me de ter casado com quem casei teria inerente arrepender-me de ter tido os meus 3 filhos, não é? E isso é algo que nunca me passaria pela cabeça. O divórcio é apenas um resultado como outro qualquer.

 

Quando nos arrependemos de alguma escolha ou vivências passadas estamos a arrependermos-nos de uma parte de nós. É quase como se nos renegássemos. E quando renegamos não integramos. E quando não integramos vivemos como que incompletos. Por muita “caca” (para não escrever outra coisa) que tenhamos feitos o mais importante é mesmo aceitar e seguir em frente. Perceber que mesmo que pudéssemos voltar atrás e fazer diferente iria ser igual. Não cometeríamos os mesmos erros, mas cometeríamos outros.

 

E só cresce quem comete erros. E só evolui quem transforma erro em aprendizagem.

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Inspiração e Motivação

 

 

Mensagens

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.