Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Faz da tua vida a tua inspiração!

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

Faz da tua vida a tua inspiração!

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

O dia das mulheres não é para comemorarmos!

08.03.21, Marta Leal
  Dizer que o dia da mulher é um disparate é renunciar a uma realidade que existe e que precisa de ser lembrada diariamente. É renunciar a todas aquelas que lutaram para que algumas de nós, um número ínfimo ainda, pudessem ter liberdade de ação, de escolha e de decisão. Mas, sobretudo, renunciar a uma realidade de tantas e tantas mulheres que ainda não foram libertas, que não podem aceder ao que algumas de nós consideram adquirido, que são vítimas de guerra, que são mortas (...)

De coração cheio!

05.03.21, Marta Leal
Com o passar dos anos percebemos que o que importa mesmo é o que fazemos com amor, as pessoas que tocamos e conquistamos, o sossego da mente, a abertura do coração e o legado que deixamos. Com ele e eles longe, este ano o aniversário foi passado sozinha com os “quatro patas”. Não existiram os abraços, as escolhas do restaurante que servisse a todos, as conversas que ficam interrompidas a meio, a canção da “miúda da montanha” e tudo aquilo que faz parte do que é tão (...)

Passou rápido

04.03.21, Marta Leal
São 52, mas podiam ser outro número qualquer. A idade não se pode resumir à soma de dias, mas sim à soma de experiências, de momentos excelentes e de momentos que dávamos tudo para que nunca tivessem acontecido, de pessoas que ficaram e pessoas que partiram, de risos e lágrimas, de sonhos vividos e sonhos destruídos, de amores e desamores, de conquistas e insucessos, de decisões e indecisões e de escolhas certas e escolhas que se mostraram, mais tarde, erradas. Passou rápido. (...)

Sobre os dias

02.03.21, Marta Leal
Sempre gostei de março talvez porque antecipava os dias de sol, as tardes de esplanada, os cafés com as amigas, e aquele calor que chega bem devagarinho quase sem se dar por ele. Deveria ser o mês onde nos despimos de roupa, de isolamento, de recolhimento, e onde saíamos mais. É o segundo ano que está diferente, mas acredito que voltemos a fazê-lo e, que um dia a pandemia não passe de uma experiência distante que vamos contar aos nossos descendentes. Mas voltemos a março! (...)

E se fosse comigo?

24.02.21, Marta Leal
Se há algo que mexe comigo é a tentativa de humilhação seja de que forma for. Não gosto nem nunca gostei de humor que humilha, de palavras inconsequentes que denigrem, e de gestos que apontam. Sempre tive dificuldade em lidar com isso e sempre irei ter. Humilhar é estratégia dos mais fracos. Difícil mesmo é estar disponível para compreender o outro no mundo do outro. É ter a capacidade de nos colocarmos no lugar do outro perante a humilhação e pensar “e se fosse comigo?”. Podemo (...)

A vida é a soma daquilo que és

23.02.21, Marta Leal
Perante a notícia de que iriamos estar mais um mês em confinamento dei por mim a pensar numa conversa que tive com uma cliente há uns dias.                - Temos de nos ocupar – dizia-me ela Eu continuo a acreditar que temos de viver. E viver é completamente diferente de nos ocuparmos.  E não estou a romantizar a coisa. Porque esta situação tem tudo menos romantismo. Mas dizia eu que temos de viver de acordo com o contexto que temos nas circunstâncias que temos. (...)

O amor precisa de alimento

22.02.21, Marta Leal
As histórias de amor fazem-me sorrir e até choramingar tal é a emoção que me provocam. Sou apaixonada por finais felizes, por jantares românticas, mãos dadas e abraços sentidos. Talvez por isso goste tanto de trabalhar os relacionamentos amorosos. Mas a verdade é que tratamos muito mal o amor deixando que seja injuriado de lamechas e de irracional. Também há quem diga que o verdadeiro amor nos faz sofrer, que nos cega, que nos faz fazer figuras ridículas, e escolhas que (...)

Saudades

21.02.21, Marta Leal
2020 foi um ano escasso em formações, palestras e workshops, tudo aquilo que eu tanto gosto de fazer. Depois da pandemia tive apenas duas vezes em sala de formação, e soube-me a pouco. Despedi-me de dois grupos online, mas faltou-nos o contacto, a conversa depois da aula acabar, os desabafos, a partilha dos sonhos e dos medos, e a certeza de que crescemos todos quando nos relacionamos. Não me recordo de ter um intervalo sem ter ficado a conversar com alguém. Não me recordo de (...)

A filha do meio faz anos

20.02.21, Marta Leal
Estávamos no ano de 1998, eu tinha 28 anos e fui mãe pela segunda vez. Engordei cerca de 20 quilos, as últimas semanas só dormia confortável numa poltrona, e depois das contrações começarem ainda tive de tomar banho porque uma mulher tem de estar sempre apresentável. A Mafalda nasceu com 4,300 kg, e eu tive uma complicação pós-parto. Valeram-me uma equipa fantástica na Alfredo da Costa, e a certeza de que ainda tinha muita coisa para fazer nesta vida. Nunca tinha tido o sonho (...)

Não é hora de termos medo

18.02.21, Marta Leal
- Aí … Marta, ando com tanto medo de pessoas – disse-me ela, mal ligámos a câmara - Não devia – disse-lhe eu com aquela minha forma tão característica de comunicar. Esta sessão levou-me a pensar que de facto vivemos uma época em que empoderamos o medo em detrimento do cuidado com o outro. Empoderamos receios, incertezas, posturas de fuga, olhares fugidio, passadas rápidas, caras fechadas, quando devíamos empoderar cuidados, atenção, compreensão, sorrisos e aproximação (...)