Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Amor Próprio

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

07
Jan19

Quero que se dê muito mal!

Marta Leal

girl-2940655__340.jpg

#queroquesedêmuitomal

#amorpróprio

#desenvolvimentopessoal

 

- Sabes aquilo que eu mais desejo?

 

- Não.

 

Respondi não, mas podia ter respondido sim. Pelo tom de voz, expressão do rosto e tensão no corpo era fácil perceber o que me ia dizer.

 

- Que se dê muito mal na vida!

 

Tenho por princípio não refutar aquilo que me dizem principalmente quando as emoções estão ao rubro.  Deixo que falem. Deixo que falem até que se libertem do que os oprime, confunde, revolta e magoa. Faço isso em sessão e faço isso no dia-a-dia com os amigos. Contrariar, refutar ou mesmo afirmar que estão errados é não saber ouvir. Mesmo que  não concordemos devemos ter em atenção que a pessoa que está à nossa frente está em dor e precisa de se libertar.

 

Nesse dia fiz o que costumo fazer. Deixei-a falar até à exaustão. O sol estava agradável e o ambiente também. Ficámos por ali mais tempo do que era suposto, mas ela precisava e a mim não me incomodava.

 

- Não dizes nada?

 

- A única coisa que te posso dizer é que quando desejas mal aos outros estás a desejar mal a ti.

 

- Hã?

 

- Sim. Tenho por princípio que tal como não deves fazer ao outro aquilo que não queres que te façam, também não deves desejar ao outro aquilo que não desejarias a ti. Para além disso temos a lei do retorno que tem uma tendência a manifestar-se quando menos se espera.

 

- Tretas!!!, respondeu-me ela enquanto mudava, miraculosamente, de conversa.

 

A realidade é que procuro sempre seguir aquilo que lhe disse. Quando não o faço sinto-me incomodada e a ser incongruente com quem sou e com o que defendo. Quando desejamos mal ao outro estamos a desejar mal a nós. Espalhamos uma energia de raiva, ódio, revolta e maledicência que não nos faz nada bem. E, enquanto o outro segue descansado a sua vida nós remoemos algures entre a impotência, a raiva, a incredibilidade e a sensação de injustiça.

 

Eu sei que não é fácil. Que existem situações que se prolongam em nós por tempo infinito tal foi a marca que nos deixaram. Mas cabe-te a ti decidir se largas ou agarras! Se continuas a destilar o ódio que te vai infetando lentamente ou escolhes viver em amor-próprio, aceitando e libertando. Quando te libertas do que te faz mal, a vida tem outro sabor, sabias?

 

 

✔️ FB 👉 https://www.facebook.com/martalealdesenvolvimentopessoal/
✔️ Site 👉 www.martaleal.pt
✔️ Email 👉 martaleal@outlook.pt

 

Faz da tua vida inspiração!

Marta Leal

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Marta Leal

    Olá Maria João, que bom que assim é :) Não sei se ...

  • Maria João

    Pois eu gosto de todas as pessoas... aliás defendo...

  • Marta Leal

    Olá Laura, que sentido teria a vida se não falasse...

  • Laura

    Muitos Parabéns pelo livro! Precisamos de mais liv...

  • petra

    Muito boas as tuas dicas e conselhos,adorei a tua ...

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D