Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Amor Próprio

... Blogger, coach, palestrante, autora, contadora de histórias, formadora e uma apaixonada pela vida ...

Amor Próprio

09
Ago17

Ouve o teu sentir, a tua essência, a tua alma.

Marta Leal

Existem coisas que ainda me confundem. Em especial quando ando mais distraída de mim. Quando me foco tanto nos resultados que me esqueço de me ouvir. E muitas vezes o que me confunde está justamente entre o querer, dever e o sentir. Já alguma vez vos aconteceu querer uma coisa, achar que devemos e sentir que não é o certo? E isto aplica-se não só a objectos mas também a pessoas, vontades e atitudes. Queremos muito e no entanto sentimos desconforto nesse querer. Mesmo quando todos os obstáculos são retirados do caminho o desconforto mantém-se  e a dúvida persiste!

 

Nesses momentos o mais certo é ouvires-te. Mas quando falo de ouvir não me refiro a que ouças o teu pensamento. Refiro-me, sim, a ouvir o teu sentir, a tua essência, a tua alma. Porque é apenas quando te ouves a ti que as respostas "certas" surgem! Depois, aceita e assume a tua decisão. Mesmo que de um ponto de vista racional não te faça sentido, aceita!

 

Coaching Inspiracional

Marta leal

 

07
Ago17

Fomos educados para aplaudir o sucesso e repudiar a falha.

Marta Leal

 

 Sabem quando tropeçamos e começamos a descer as escadas mais rápido do que queriamos? Foi exatamente isso que me aconteceu domingo à noite: espalhei-me! Não ao comprido porque havia muita gente que me amparou na queda mas quase ao comprido. A conclusão a que chego é que me espalho sempre de saltos rasos e que sou desengonçada a andar com um certo tipo de sandálias. As calças ficaram um bocadinho mais rotas e o joelho esfolado a verdade é que sou um osso duro de roer ou melhor escrevendo um esqueleto duro de se partir.

 

Por vezes também tropeçamos e nos espalhamos na vida. Espalhamos-nos nas decisões que tomamos, na forma como lidamos com o outro, nas escolhas que não fazemos, nas pessoas que escolhemos ter ao nosso lado e outro sem número de coisas. Os tropeços e as quedas fazem parte da vida daqueles que se atrevem a viver. Só não cai quem fica parado. Tropeçar e cair não é motivo de vergonha mas sim de aprendizagem. Precisamos cada vez mais de entender que o erro não está nos que caem mas sim naqueles que permanecem parados.

 

Fomos educados para aplaudir o sucesso e repudiar a falha. O que ninguem nos ensinou é que um faz parte do outro. E que não somos menos por errar nem mais por acertar. Somos os mesmos perante situações diferentes. Tropeçar e cair não tem mal nenhum. O unico mal reside no facto de te manteres no chão durante tempo indeterminado. 

 

A queda faz parte da ascensão, sabias?

 

Coaching Inspiracional

Marta Leal

04
Ago17

O modo como és feliz só a ti te diz respeito, sabias?

Marta Leal

1499549_3859555023988_218946742_n.jpg

 

 

Cá por casa, os meus dias começam sempre com o miar e ladrar dos quatro patas. Existem os que querem comer e os que querem atenção. Existem os que pedem atenção e o que se limita a olhar de modo sobranceiro à espera que me dirija a ele, não fosse o ronronar e iria ficar na duvida daquilo que ele poderia ou não querer. Tenho de confessar que a convivência entre cadela e gatos nem sempre é pacifica. Também tenho de confessar que a convivência entre mim e os xixis que, de vez em quando D. Diva insiste em espalhar pela casa, também não. Mas faz parte. Todas as decisões têm uma consequência e quando se decide adoptar, na minha humilde opinião, é para a vida. 

 

A maioria de nós vive uma busca incessante pela felicidade. Procuramos a felicidade na pessoa que amamos, na carreira que pretendemos ter, na casa que queremos adquirir, no país que queremos visitar  ou mesmo na cidade onde queremos morar.  Ansiamos pelos grandes momentos e deixamos escapar o pormenor.  E, como todos sabemos, é no pormenor que reside a diferença. Permitirmos que a vida nos passe ao lado em busca de uma felicidade ilusória.

 

Ser feliz não está directamente relacionado com o modo como expressas a felicidade. É importante entenderes que cada um de nós expressa a felicidade do modo como a sente. Existem os que pulam e gritam, os que ligam a toda a gente, os que postam nas redes sociais, os que rejubilam e saem com os amigos e depois existem aqueles que a vivem em silêncio. O modo como vives a felicidade é o teu modo. Não insistas em compares-te ou em olhar para os outros. E achamos que não somos felizes porque criamos expectativa sobre o que é a felicidade e a forma como uma pessoa feliz se comporta. O modo como és feliz só a ti te diz respeito, sabias?

 

 

Coaching Inspiracional 

Marta Leal

 

03
Ago17

E o que é a vida se não uma soma de bons e maus momentos?

Marta Leal

10686799_680740478690239_2004744795008239435_n.jpg

 

Ao contrário da maioria das pessoas em agosto trabalho imenso. Os dias têm sido passados em sessões de coaching e correções de trabalhos das formações e-learning. Para trás têm ficado o livro, as preparações dos vídeos e a programação das próximas edições da rádio. Eu sei que tenho tempo, mas há momentos em que sinto que ele voa!

 

Dentro desta dinâmica, toda ela intensa, a vida social tem ficado para trás. Entre trabalho, quatro patas, filhos e momentos a sós (dos quais não abdico) tenho tido consciência da falta que aquele que foi, durante anos, o meu melhor amigo me faz. Perdermos o nosso melhor amigo, ou amiga, dói. Dói pela saudade, pelas risadas, mas sobretudo pelos desencontros. Dói pelo afastamento e dói pela comparação que fazemos quando estamos com outras pessoas. Criam-se hábitos de partilha, de horas de conversa, de opiniões, de tomadas de decisão e sobretudo de apoio e desafio.  Foram anos, foram mesmo muitos anos de viagens, de almoços e jantares, de horas infinitas de conversa, de momentos de silêncio, de noitadas e copos e de debates de opinião. Outros tempos outro ciclo de vida.

 

Mas porque estarei eu a falar de tristeza num mês que decidi falar de felicidade? Porque sermos felizes não nos impede de termos momentos tristes. De refletir sobre aquilo que temos e aquilo que sentimos falta de ter. Podemos ser pessoas felizes detentoras de momentos de tristeza. Faz parte. Faz parte aceitarmos a tristeza tal como faz parte aceitarmos a felicidade. Aceitar que nesta equação todos os sentimentos são bem-vindos é preparas-te para o bom e o mau. E o que é a vida se não uma soma de bons e maus momentos?

 

Coaching Inspiracional

Marta Leal

02
Ago17

Aceitar o que a sociedade nos impõe como felicidade está errado.

Marta Leal

1452132_220423384796352_1845734480_n.jpg

 

 

 

Ontem dei comigo a rir à gargalhada enquanto os "miúdos" jogavam a isto. E as minhas gargalhadas não surgiram pelas figuras que estavam a fazer mas pelas gargalhadas que estavam a dar, pelas risadas e pelo companheirismo. E é exactamente nestes momentos que eu sei que podemos não ser uma família tradicional, podemos ter dinâmicas muito próprias, podemos ter ideias muito vincadas, mas somos uma família feliz. 

 

Reconhecer-me na educação e formação que lhes transmiti faz-me sentir feliz. E esta felicidade não tem a ver com os cursos que tiraram ou vão tirar, com o sucesso que têm ou vão ter, está sim relacionada com eu perceber que educa-los na essência de quem são permitiu que as asas deles se expandissem. Nunca me prolonguei nos sonhos deles. Os sonhos deles são os sonhos deles. Os meus sonhos são os meus sonhos. 

 

Aceitar o que a sociedade nos impõe como felicidade está errado. Aceitar que ser feliz é ter tudo ou não ter nada, também. Não me reconheço na noção de que só somos felizes quando temos uma boa casa, um bom carro, uma boa carreira e uma excelente conta bancária. Também não me reconheço na noção de que só somos felizes quando não temos nada e vivemos desapegados de tudo. Reconheço-me num conceito de felicidade em que o ter não tem importância nenhuma e em que o ser se reconhece e se aceita. 

 

Lembra-te sempre que o que serve aos outros nem sempre te vai servir a ti. Procura, mas procura mesmo aquilo que te faz feliz!

 

Marta Leal

Coaching Inspiracional

01
Ago17

Ser feliz passa por te aceitares a ti e não te resignares a quem és!

Marta Leal

019bf1f9877988db951030f33715955e.jpg

 

Por vezes perco-me daquilo que defino. Gosto deste meu lado humano que insiste numa irreverência até comigo mesma. E uma das resoluções que ainda não estava definida seria como gozar a semana de férias. Está decidido! De 1 a 8 de Setembro estou de férias e o destino será revelado mais tarde. 

 

Olhar para nós de forma neutra e percebermos quem somos faz parte de todo um processo que nos leva à felicidade. Não é fácil. Olhar para nós não é, de todo, fácil. Fomos ensinados a olhar para nós com base na comparação e não na reflexão. Com base na vitimização e não na responsabilização.

 

Saber quem sou passa por perceber como ajo, como reajo, como me expresso, como me relaciono, como têm sido os meus padrões de comportamento, o que gosto, o que não gosto, as minhas qualidades, os meus defeitos, os meus sonhos, as minhas derrotas, as minhas ilusões e as minhas desilusões. Saber quem sou vai-me ajudar a tomar decisões de mudança, vai-me ensinar a lidar com expectativas e frustrações, com os altos e baixos e com momentos de alegria e de tristeza.

 

Mas nós, os humanos, gostamos pouco de olhar para nós. Ou então olhamos de forma intensa onde a busca da perfeição é tal que se salta de insatisfação em insatisfação. Passamos do 8 ao 80 e procuramos não aquilo que nos serve mas aquilo que serve aos outros. Esquecemos-nos que cada um de nós vivencia as coisas de forma diferente. 

 

Ser feliz passa por te aceitares a ti e não te resignares a quem és! Faz sentido?

 

Marta Leal

Coaching Inspiracional

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • petra

    Muito boas as tuas dicas e conselhos,adorei a tua ...

  • petra

    Graças a esta publicação,eu concluí que sou uma pe...

  • petra

    Muitos parabéns pelo teu destaque,adorei ler esta ...

  • Mamã Gansa

    Tão real este post.Infelizmente tanta gente vive a...

  • Psicogata

    Dar uma opinião ou uma alternativa construtiva na ...

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D