Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Marta Leal

... aventuras e desventuras de uma eterna apaixonada pela vida, pela familia e pela profissão que desempenha ... Sou terapeuta de desenvolvimento pessoal, sou escritora, inspiradora e formadora

Marta Leal

... aventuras e desventuras de uma eterna apaixonada pela vida, pela familia e pela profissão que desempenha ... Sou terapeuta de desenvolvimento pessoal, sou escritora, inspiradora e formadora

Vivemos numa sociedade demasiado formatada e numa sociedade demasiado conformada.

images (21).jpgO filho mais velho faz anos hoje e não posso deixar de sorrir pelos anos que temos passado juntos. Devo confessar que o meu papel enquanto mãe nunca foi difícil talvez porque, para mim,  sempre foi fácil aceitar e aceita-los na diferença, nas opiniões e nas decisões. Especialmente nas decisões. É sempre tão difícil aceitarmos decisões e escolhas dos nossos filhos especialmente quando elas não coincidem com as nossas ou saem da normal. Difícil mas importante que o façamos.

 

Ouvi dizer que esta semana ia estar calor e decidi-me por umas férias. Tendo em conta o evoluir da coisa estou a pensar muito seriamente processar alguém ainda não sei se os meteorologistas se o S. Pedro mas que mereciam os dois lá isso mereciam. 

 

Não sou uma mulher dada a arrependimentos mas sou uma mulher dada a aprendizagens. Nos últimos dois dias aprendi que a próxima vez que for a Aveiro compro duas caixas de de ovos moles porque uma sabe a pouco, sabe mesmo a pouco. Gostava de conseguir registar todos os olhares que já vi sobre o penteado e a cor do cabelo da filha mais nova. A diferença confunde, espanta e faz com que nos sintamos no direito de apontar e criticar. Vivemos numa sociedade demasiado formatada e numa sociedade demasiado conformada.

 

Estar perto de alguém que se assume na diferença faz-me pensar naqueles miúdos que não o podem fazer. Faz-me pensar nas angustias, nas tristezas, nas revoltas e sobretudo na falta de amor que eles devem sentir. Faz-me pensar que todos temos o direito de ser quem decidimos ser. 

 

Eu? continuo assim muito mãe, muito mulher mas sobretudo eu mesma.

2 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D