Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Marta Leal

... aventuras e desventuras de uma eterna apaixonada pela vida, pela familia e pela profissão que desempenha ... Sou terapeuta de desenvolvimento pessoal, sou escritora, inspiradora e formadora

Marta Leal

... aventuras e desventuras de uma eterna apaixonada pela vida, pela familia e pela profissão que desempenha ... Sou terapeuta de desenvolvimento pessoal, sou escritora, inspiradora e formadora

Sobre as trocas e as devoluções

download.jpg

 

Houve dias em que me apetecia pedir-te de volta tudo o que te dei. Em que a raiva e a dor me faziam querer fazer mais do que esquecer ou apagar. Queria mais, queria muito mais. Mais do que vingança queria devolução. Acreditas que queria que me devolvesses tudo o que te dei? Pensei em pedir-te para me devolveres todos os olhares que trocámos e todas as palavras em que nos envolvemos. Os dias que passámos juntos e os abraços que insistimos em dar. Queria que me devolvesses tudo o que um dia decidi ser para ti.

 

Perguntava-me onde seria a secção de devoluções para as questões de amor. Perguntava-me se me ajudariam a preencher toda a minha reclamação porque eu queria tudo, mesmo tudo sem qualquer lugar para negociações. Sentia raiva e dor onde antes tinha sentido paixão e amor. Como se odeia quem se amou tanto? Como nos permitimos sequer trocar de sentimentos como se troca de roupa? Sabes que até certo ponto queria sentir-me assim? Queria chorar e queria que todos vissem que chorava. Sabes porquê? Porque era tão mais fácil viver o papel de vítima.

 

Queria de volta todas as horas que passamos juntos, toda a entrega quando nos amávamos de forma desenfreada ou de forma serena e calma. Queria tudo o que um dia te tinha decidido dar. Que raiva sentir que te dei tanto e que não quiseste ficar.

 

Sabes que é verdade o que se diz sobre a raiva? Sabes que ela cega, que te impede de ver e de sentir? Consome-te. Faz com que cada dia te tornes mais mesquinho naquilo que és, naquilo que sentes e naquilo que fazes. Esqueci-me. Acreditas que houve um momento em que me esqueci do que recebi? De tudo o que me deste e de tudo o que foste. Percebi quando a senhora da secção das devoluções me disse que no que toca ao amor só há secção de trocas. De trocas? Perguntei eu incrédula e, devo confessar, irritada. Sim, respondeu-me ela sorridente. Ao que consta era muito frequente os corações partidos irem ter á secção de devoluções quando deveriam ir ter à secção de trocas.

 

Na secção de trocas percebi que para me devolveres um beijo eu teria de te devolver todas as sensações que ele me provocou e que para me devolveres o meu tempo eu teria de te dar todos os olhares que me fizeram sorrir. Sabias que ate queriam que te devolvesse aqueles abraços apertados que me davas quando eu estava doente?

 

Foi nesse momento que percebi que não era de trocas nem de devoluções que eu precisava. Foi exactamente nesse momento que eu percebi que não estava pronta para abdicar de uma parte da minha vida onde o amor e a paixão foram uma realidade. Não te podia pedir que me devolvesses aquilo que eu me recusava a largar. Precisava apenas de seguir em frente consciente que o amanhã é a soma de um passado e de um presente. Quero sentir saudades de quem fomos. Quero manter tudo comigo para que faça parte de mim. Peço-te que me perdoes por todos esses pensamentos e vontades. Faz parte. Faz parte de um coração partido demorar a colar.Faz parte do ser humano demorar a perdoar!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D